1.22.2014

Filme | Minha vida sem mim



Minha vida sem mim é mais um filme daquela temática pessoa-com-câncer-e-pouco-tempo-de-vida mas muito mais intimista: a protagonista não é uma adolescente, não tem vontade de provar drogas e nem de sair roubando.


Ann (Sarah Polley) tem 23 anos, é casada e tem duas filhas com o marido. O filme começa mostrando a rotina dela, que trabalha fazendo faxina numa universidade, morando num trailer, com duas crianças pequenas para criar, o marido procurando emprego, a mãe que não se dá bem com o pai de suas filhas e o próprio pai que está preso.



 A vida de Ann não era fácil e mesmo assim ela não reclamava. E passou a ficar mais difícil quando numa manhã ela sofre um desmaio. Quando vai ao médico, descobre que tem câncer já bem avançado, sem chances de cura.


O interessante desse filme é a originalidade na narrativa. Como eu disse, não tem aquele desespero de querer viver. Ela faz sim uma lista de coisas que gostaria de fazer antes de morrer, mas a maior parte dos itens são coisas mais para os que a cercam do que para ela mesma. Ela tenta visualizar as filhas e se fazer presente na vida delas, tenta deixar uma imagem feliz dela mesma para as outras pessoas.
O que mais (me) impressiona nesse filme é a narrativa dele. Em alguns momentos, os pensamentos da Ann são expostos e ela mostra opiniões não de alguém que está para morrer, mas questionamentos que todos devíamos nos fazer.

























Esse filme, simples e tocante, definitivamente já está na minha lista dos favoritos :)

Questionamentos:

"Ninguém  é normal, mãe. Não existe gente normal."

"Você tem vontade de tomar todas as drogas do mundo. Mas elas não vão mudar a sensação de que sua vida toda foi um sonho e só agora você está acordando."

"Aí você se dá conta que todas as coisas nas vitrines brilhantes, todos os modelos dos catálogos, as ofertas especias, as receitas da televisão, aquele monte de comida gordurosa, tudo está lá para nos afastar da morte. E não funciona."

"Sem sonhos não dá pra viver."

"Morrer não é tão fácil quanto pensa."

"Quando você olha pra uma pessoa, pode ver cinquenta porcento de quem ela é. E querer saber o resto é o que estraga tudo."

"Alguns de nós não podem levar o tipo de vida que algumas pessoas querem. Por mais que a gente tente, não consegue."

"É difícil amar alguém e não conseguir fazer essa pessoa feliz. É como se você amasse a pessoa mas não conseguisse amá-la como ela deseja."
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo