1.29.2014

Livro | Sete Faces do Crime



Terminei de ler - finalmente - o livro Sete faces do Crime õ/
A história do livro na minha vida: comprei esse livro em abril de 2012 e só tomei coragem de ler agora. É. Aconteceu que o primeiro conto era um tanto enfadonho e frustrativo (é, acho que inventei essa palavra).



Mas vamos com calma. Sete faces do Crime é um livro que faz parte da coleção Veredas, publicada pela Editora Moderna. Dentro dessa coleção, existe a série Sete Faces e dela eu já tinha o Sete Faces da Primeira Vez que é um dos meus livros favoritos e foi por isso que eu acabei comprando o do Crime.

Essa série possui vários temas e o do desse livro, é o crime. Funciona assim: cada autor escreve um conto sobre determinado assunto dentro do tema escolhido. Os assuntos desse livro são os diversos estilos de histórias: lógico-dedutivo, ação-ironia, ação-violência, bonachão, passional, psicológico e ocasional-circunstancial. O mais bacana, é que em cada estilo, a Marcia Kupstas, que é quem organizou o livro, faz um comentário citando histórias famosas tanto na literatura quanto no cinema em que aquele estilo aparece.


O primeiro conto, como eu estava dizendo, o Júlio Emílio Braz (que é um ótimo autor) tentou resgatar o jeito das histórias do Sherlock Holmes e eu achei que não saiu muito bom. Mas desempenha bem o papel de fazer as pessoas se interessarem por aquele estilo (se a pessoa gostar do conto, claro). - Um certo Sherlock Holmes, Júlio Emílio Braz.

O segundo, mostra a história de um detetive que segue pistas deixadas por seu amigo desaparecido em busca de resgatá-lo. Quase engraçado. Mas dá pra rir bastante no fim, com tamanha a sorte e confusão dele. - Um dia ruim, Marçal Aquino.


O terceiro conto, foi um que me deu uma curiosidade insana pelo final e que me deixou na corda bamba, em dois sentidos:

  1. eu queria terminar logo, porque a curiosidade estava me matando, mas não queria terminar porque a história é forte, com algumas cenas bem provocadoras;
  2. não consigo definir se eu gostei pouco, gostei ou gostei muito desse conto, pelo motivo acima. Algum dia eu descubro :) - O carrasco, Flávia Muniz.
O personagem principal do quarto conto já é um velho conhecido e eu me senti como se ele estivesse me visitando e me contando histórias de quando a gente ainda não se conhecia. Completamente atrapalhado, Almeida me mostrou um lado dele que eu nunca iria imaginar. - O incrível inspetor Almeida, Pedro Bandeira.


O quinto conto lidera a lista dos contos favoritos do livro. Conta a história de um empresário criminoso que foi sequestrado e vai mostrando no decorrer do livro quem o sequestrou e por quê. Adorei principalmente por mostrar um pouco do que o Brasil estava vivendo em 1993, época em que foi publicado o livro, sem deixar de ser extremamente atual. Sem contar que tem bastante coisa nele que veio da época da ditadura. - O vampiro do bem, Fernando Portela.


O sexto conto é muito interessante e fiquei super curiosa para ler mais sobre o assunto. Conta a história de um adolescente que acaba ficando obcecado por um ex-namorado da mãe dele. Incrível mesmo. Um hobby para Paulo, Marcia Kupstas.


Já o último conto disputa o segundo lugar na minha lista de favoritos, é pra lá de engraçado! Um detetive muito lento tenta resolver um assassinato e falha completamente. O mais legal é que o cara estava certo e o personagem principal errado de uma forma não completa. Não tem como contar sem dar spoilers, desculpa. Um caso "quase" sem pistas, Orlando de Miranda.





© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo