6.07.2014

Extraordinário

E não é que o blog agora tem uma novidade? A gente vai tentar publicar uma crônica/conto por semana, textinhos que a gente mesmo escreveu.
Digo a gente porque essa é outra novidade: agora a Lara e a Helena vão me ajudar aqui de vez em quando, e eu espero mesmo que esse "de vez em quando" se torne um "sempre" (sim, foi uma indireta-direta).
De qualquer forma, o texto de hoje quem escreveu foi a Lara e ficou uma coisa ultra-sensível, olha só:


" De tanto repetirem, ele havia começado a acreditar que era insuficiente. Não tinha a aparência bonita o suficiente. A voz não era grave o suficiente. O corte de cabelo não era bom o suficiente. Ele era completamente abaixo da média. Mas queria ser tudo na vida dela, porém sabia que nada adiantaria. Ela era inalcançável. Então sorria o mínimo ao encontrá-la. Falava o mínimo na presença dela. Tinha o mínimo contato possível quando, por ventura, se abraçavam ou trocavam um aperto de mão. Ah pobre rapaz! Mal sabia ele que o mínimo que ele oferecia era o ponto alto do dia dela. Ansiava ao máximo vê-lo. Se arrumava com o máximo cuidado. Se esforçava ao máximo em tudo que fazia, mesmo que ele não pudesse ver. Dava o máximo de si para que ele pensasse pelo menos um pouco nela. Ele nem imaginava que aquele jogo besta que havia apresentado para ela, só para sentir-se mais próximo dela, a fazia sorrir todas as vezes que jogava. Nem passava por sua cabeça que o doce que ele fez com tanto carinho, só para vê-la feliz, havia se tornado seu prato preferido. Muito menos pensava que aquele comercial infantil que apresentara a ela, só para terem assunto, a fazia corar toda vez que assistia. Porque para ela, ele era muito mais que o suficiente. Para ela, ele era extraordinário."
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo