7.05.2014

Saudadeando

Hoje quem escreve o texto é a Lara, olha só:

Sabe o que é pior nos machucados?
Não. Não é a dor angustiante de quando ele é feito. Ou o cuidado excessivo que é preciso tomar para não encostá-lo em algum lugar. O pior de grandes feridas é aquela coceirinha que aparece do nada. Minha mãe costumava dizer: "coceirinha da cura". Ela só está ali para te avisar que a ferida está sarando. Algo que é pra ser visto como um bom sinal, afinal vem anunciar que a dor está no fim e você logo estará livre. Certo? Não! A coceira te incomoda de uma forma tal, que te faz esquecer da dor de outrora e não te deixa feliz por saber que está quase sarando. Ela é maior que tudo! E assim, em busca de um pouco de paz, você é levado a mexer na ferida novamente, até ela se abrir e trazer a dor de volta. Assim, muitas vezes, é a saudade que sentimos de alguém. Algo que impede a alegria de imaginar a "cura futura" e que é capaz de apagar todos os erros, ao ponto de te fazer ressuscitar todas as boas lembranças, lamentar e procurar novamente reviver aqueles momentos. Com isso, inevitavelmente, nos machucamos e somos obrigados a sofrer tudo novamente. Agonia, dor, cuidado, coceira ... saudade...
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo