11.10.2014

Tarzan - Diário de leitura #2

Esse fim de semana: página 104 à 248 - 144 páginas lidas.



Na semana anterior eu estava um pouco decepcionada com o fato de ter lido bastante do livro e não ter nem sinal da Jane e seu pai na ilha.
Isso se dava principalmente pela leitura do livro ser fácil e rápida e da história ser infinitamente mais focada na vida do Tarzan.
Eu sei que isso tudo que eu disse é pra lá de óbvio:

  • é óbvio que o livro seria diferente do filme da Disney (até porque o filme é pro público infantil)
  • é óbvio que eu tinha que tirar o filme da cabeça (e não consegui)
  • é óbvio que a história é do Tarzan e a Jane é uma mísera parte dessa história.
Apesar de todas essas obviedades acima citadas, eu fiquei maravilhosamente feliz quando a Jane apareceu e, olha outro óbvio aqui, não apareceu sozinha.
Nem sei o que eu pensei de toda coincidência que envolve o grupo da Jane e seu pai e a pequena história do Tarzan.
As vezes eu acho que o Burroughs ficou sem criatividade, mas em outras eu sinto que ele foi simplesmente genial.
E apesar de toda a simplicidade e coincidência entre membros do grupo da Jane e o próprio Tarzan, a história se mantém interessante e dá dor no coração pensar que eu vou ficar duas semanas com o livro longe de mim.
Ah, já ia me esquecendo! O amor de Tarzan e Jane! Me parece muito fácil encontrar pequenos problemas que se tornam gigantes quando somados. E adorei o fato de o autor apresentar pra gente esses problemas e os pensamentos da Jane sobre eles. O interessante é perceber que como nos filmes a gente recebe a informação que eles ficam juntos no final, essa informação ajuda a criar um forte clima de tensão por não saber se eles vão mesmo se aceitar e lutar com esses problemas, principalmente porque falta pouco pro livro acabar, socorro!
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo