3.12.2015

Filme | Boyhood


Pensei em diversas maneiras geniais de começar a falar sobre esse filme. Mas foram tantas e tão geniais que a única coisa que sobrou na minha cabeça foi: é, eu gostei mesmo desse filme.



Boyhood (que no Brasil ganhou o subtítulo Da infância à juventude) é aquele tipo de filme que ou você ama ou você odeia. O meio termo ainda não apareceu. Na minha cabeça, entretanto, as pessoas que não gostaram foram contra as longas horas de filme ou não são sensíveis aos altos e baixos que todo mundo vive na adolescência.



Mas vou parar de blábláblá e falar do filme, tá?

Boyhood foi filmado durante 12 anos e acompanha o crescimento do garoto Mason. O bacana é perceber não só a mudança física dos atores, como as dúvidas do personagem principal e suas investidas para achar as respostas. O filme passa veracidade.



E toda essa realidade demonstrada no filme faz com que o espectador se identifique com o personagem de alguma forma. Seja compartilhando suas dúvidas, seja revendo momentos vividos.
A gente acaba percebendo que a adolescência é universal e não importa quais eventos aconteceram na sua vida, onde ou como você viveu a sua adolescência, as dúvidas e o desconforto são sempre os mesmos.



Eu adorei perceber que grande parte do que ele e a irmã viveram eu também vivi. Por exemplo, a pré-adolescência com as músicas de High School Musical, a aparência dos cabelos, franjas.
Aliás, a trilha sonora do filme está impecável e não tinha como começar melhor do que tocando Yellow do Coldplay antes mesmo de qualquer fala.



Agora, visando os personagens: gostei de ver a forma como Mason muda o comportamento e a sua relação com os pais. A gente consegue ver o personagem crescendo e se tornando maduro e mais que isso, a gente visualiza os pais aceitando a maturidade dos filhos e isso foi o que mais me tocou.  Talvez por eu estar vivenciando isso, talvez por sempre me perguntar qual a sensação de um pai e uma mãe nesse momento tão importante da vida de um jovem.












A impressão geral é boa, confia em mim! Falando nisso, você já assistiu Boyhood? O que achou?
© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo