7.10.2015

Livro | Razão e sensibilidade (Jane Austen)



Assim como eu disse sobre Clarice Lispector eu digo pra Jane Austen: tenho extrema dificuldade de falar sobre ela e seus livros por nunca saber em quê focar. As histórias são sempre cheias de detalhes e personagens bem construídos e são histórias sempre com alguma crítica bacana que eu nunca me arrisco a falar.



Mas vamos lá! Razão e Sensibilidade vai acompanhar a Elinor e a Marianne Dashwood que acabaram de perder o pai e por conta disso vão ter que se mudar, já que a propriedade foi herdada por seu meio irmão (por ser homem), o sr. John Dashwood.



Falando bem por alto, a história vai ser focada nas duas irmãs e seus sofrimentos amorosos. Porém dizer isso é quase como não ter captado a essência do livro.

Razão e Sensibilidade vai adentrar a convivência e o relacionamento das duas irmãs, a preocupação da mãe com cada uma delas, a demonstração de preocupação que uma tem com a outra.
Além, é claro, da relação de cada uma delas com as outras pessoas de seu convívio e o sentimento despertado por cada pessoa e mais que isso, a reação de cada uma com esses sentimentos.

A única coisa que não gosto nessa edição é que ela é um pouco frágil pra carregar por aí
Marianne deixa claro desde o começo que sentimento é essa coisa que tem que ser extravasado e mastigado até o fim do sabor, enquanto Elinor, ao contrário do que você deve estar pensando, até concorda com essa "definição" da irmã, mas sente muito mais as consequências de um sensibilidade forte demais para os seus familiares e amigos próximos. Entra aí (lembrando que de forma bem superficial) a Razão.

E acaba entortando as pontas e criando essas orelhas

Entretanto, como eu comentei no vídeo-comentário (você pode conferir aí embaixo), essa minha edição da Penguin Companhia traz um prefácio muito bacana que vai discutir as diferenças etimológicas das palavras Sense e Sensibility e a gente percebe que as duas não são assim tão diferentes, o que inicialmente não acontece com a nossa tradução. Por isso ainda estou à procura de um artigo/ensaio que comente a tradução brasileira e quem sabe, compare com o título original.

E a capa fica mais aberta assim como na foto :(

Por hoje eu vou ser bem breve mesmo na história do livro, porque como eu disse, tenho medo de me alongar demais em livros da Jane Austen. Mas você pode assistir o vídeo abaixo com o meu comentário em vídeo, onde eu falei um pouquinho mais sobre o livro.




© Napolitano como meu pé - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Elane Medeiros - Isaú Vargas.
Tecnologia Blogger.
imagem-logo